Príncipe saudita hackeou celular de fundador e presidente da Amazon

O homem mais rico do mundo, Jeff Bezos, fundador e presidente da Amazon, teve seu celular hackeado em 2018 depois de receber uma mensagem no WhatsApp, enviada por Mohammed bin Salman, príncipe e herdeiro do trono da Arábia Saudita.

A informação foi dada na terça-feira (21) pelo jornal britânico “The Guardian”, que teve acesso a uma investigação sobre o caso.

A embaixada da Arábia Saudita nos Estados Unidos não comentou a reportagem, e um advogado de Bezos afirmou que não iria dar declarações, mas que o executivo estava cooperando com investigações”.

De acordo com o “Guardian”, uma análise mostrou que “é altamente provável” que a invasão teria acontecido quando Salman enviou um vídeo infectado ao executivo. O jornal afirma que os dois estavam tendo uma conversa amigável e que o príncipe enviou o arquivo no dia 1º de maio de 2018.

A embaixada da Árábia Saudita nos Estados Unidos considerou a suspeita de envolvimento da coroa saudita no caso Bezos como “absurda”, em post feito no Twitter na última terça. E também defendeu que exista uma investigação, mas não apontou quem deveria fazê-lo.

Em novembro passado, o WhatsApp disse que corrigiu uma falha que podia atacar celulares com arquivos de vídeo, mas afirmou que não havia qualquer informação que indicasse que esta brecha foi utilizada em ataques reais (veja como atualizar seu celular).

Se confirmando que houve a invasão por meio de um vídeo enviado ao celular de Bezos, é grande a probabilidade de que tenha sido algo voltado especificamente para ele.

Em outro caso, em maio passado, o Facebook, dono do WhatsApp, detectou e corrigiu uma vulnerabilidade no sistema de chamadas de vídeo do WhatsApp sistema que permitiria que hackers instalassem de maneira remota um tipo de “spyware”, um software espião, para ter acesso a dados do aparelho, em alguns telefones.

 

Fonte: G1