Alphabet cria robô que ajuda na reciclagem e aprende com simulações

Depois da aquisição e posterior venda da Boston Dynamics a Alphabet, dona da Google e de vários outros de seus braços, está disposta a tomar novos rumos no setor e apresentou ao mundo na última quinta-feira dia 21/11 a nova empreitada do X Lab, batizada de Everyday Robot Project.

O denominado como “Projeto de Robôs Cotidianos” tem como objetivo trazer ao mundo máquinas interagindo entre nós e realizando tarefas simples da nossa rotina.

Algo longe de uma robô doméstica, como a Rosie de Os Jetsons, mas finalmente tirando ideias do papel. A meta será fazer robôs serem úteis para as pessoas no mundo físico, assim como computadores são hoje no mundo virtual.

O primeiro grande resultado exibido é um robô capaz de ajudar na reciclagem que está trabalhando nos próprios escritórios da Google, ele é capaz de identificar latas de alumínio no meio do lixo plástico, por exemplo, ou separar a reciclagem que acabou indo parar junto aos resíduos orgânicos.

O segredo do novo robô da Alphabet é que ele nunca para de pensar em trabalho. Durante a noite, com a ajuda de produtos desenvolvidos pela equipe de inteligência artificial da Google, ele treina virtualmente a reciclagem a partir de dezenas de milhares de simulações de si mesmo, tudo feito na nuvem.

Dessa forma, ele melhora o seu algoritmo e o reconhecimento de materiais e embalagens sem precisar fazer qualquer movimento físico. Quando chega o expediente dos funcionários humanos, ele coloca todos os conhecimentos em prática.

O robô utiliza o desempenho no horário de trabalho para melhorar ainda mais o seu desempenho nos estudos noturnos e é um trabalho colaborativo: o aprendizado de uma das unidades é compartilhado e absorvido pelas demais.

A ideia será futuramente colocar as máquinas de uso cotidiano da Google em empresas e residências, mas não há uma previsão para que o projeto ganhe forma comercial.

Por enquanto os resultados são promissores, os níveis de contaminação de lixo e separação feita de forma errada caíram de 20% para menos de 5%.

O próximo desafio do X Lab é tentar ensinar uma nova tarefa a um desses robôs sem precisar reescrever o seu código do zero. É algo ambicioso, mas que elevaria os laboratórios da Alphabet a um patamar que parece mesmo coisa de ficção científica.

 

Fonte: TecMundo