Opinião pessoal como ferramenta de marketing

Não é novidade que esta “Era das mídias sociais” virou a menina dos olhos para agências de publicidade e seus clientes ao perceberem como as pessoas se tornaram pequenas, mas poderosas formadoras de opinião junto aos seus amigos.

Antes do surgimento do Facebook, as marcas já enviavam amostras ou brindes para blogueiros ao perceberem a influência que eles têm perante a audiência. No início, muitas “sugeriam” um post sobre o mimo, mas com o tempo elas perceberam que este pedido não era necessário se fosse algo bom para o blogueiro e relevante para a audiência.

Eu e muitos outros blogueiros adotamos a mesma postura sobre divulgação de produtos e publieditoriais: publicar apenas o que for importante para os leitores, além de avisar sobre a natureza da publicidade. Desta forma, nós preservamos a nossa credibilidade diante de quem gosta dos posts e nos seguem no Twitter ou Facebook.

Mas a mídia social criada por Mark Zuckerberg proporcionou a valorização da opinião das pessoas. A partir daí, as agências começaram a trabalhar a imagem e qualidade do produto ou serviço do cliente e desenvolver o relacionamento com os seus fãs. Aquela regra de que um cliente insatisfeito pode prejudicar até dez mais que o satisfeito nunca fez tanto sentido, além de se potencializar com as mídias sociais.

Faz mais de quatro anos que o Ponto Frio se tornou referência em relacionamento com seus fãs, ao responder elogios, dúvidas e reclamações com atenção e bom humor. Desta forma, a marca vai transformando consumidores em fãs que recomendam, de forma espontânea, o serviço para seus amigos. E os amigos, se gostarem, fazem a mesma coisa.

Por isso que estratégias nas mídias sociais devem ser feitas por profissionais e exige investimentos adequados, pois a logística para dar atenção a todos os posts, comentários e interações que as pessoas fazem sobre a marca definitivamente não é para “sobrinhos”. A imagem e credibilidade da marca são muito importantes para não receberem a devida atenção que merecem do anunciante.

Fica a reflexão para quem deseja se tornar um Ponto Frio, Netshoes, Nutella e Paçoquita Cremosa do seu consumidor.

Fonte: Blogcitário